Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 12 n. 12 (2021): 12ª Edição

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE ESTIGMA EM RELAÇÃO AO PORTADOR DE TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

Enviado
maio 27, 2021
Publicado
novembro 19, 2021

Resumo

 

Resumo: Sabe-se que a estigmatização ocorre em níveis sociais, interpessoais e individuais. Apesar de não terem um fenótipo característico, o TEA é considerado uma deficiência e, portanto, indivíduos com esse transtorno são percebidos e tratados da mesma forma que pessoas com deficiência. Dessa forma, encontra-se a necessidade de pesquisas sobre estigma em relação a pessoas com TEA, pois a compreensão do fenômeno possibilitará atuar para minimizar a estigmatização e a discriminação que essas pessoas sofrem.  A pesquisa foi realizada através de artigos indexado no SciELO, Google Acadêmico. Os transtornos do espectro autista começam na infância e tendem a persistir na adolescência e na idade adulta. O combate ao estigma é fundamental para que o portador autista possa ter oportunidade genuína de trabalho, possa viver de forma independente, perseguir suas metas e usufruir de oportunidades, com vida digna e plenamente inserida na sociedade.