Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 12 n. 12 (2021): 12ª Edição

RESILIÊNCIA FRENTE A INCLUSÃO: UM RECORTE INTERDISCIPLINAR DA ADOLESCÊNCIA À LUZ DA PSICOLOGIA ESCOLAR/EDUCACIONAL

Enviado
abril 13, 2021
Publicado
abril 23, 2021

Resumo

A adolescência é caracterizada por ser um estado intermediário entre a infância e a fase adulta, sendo este período marcado pelo viés cultural. Partindo deste pressuposto, de acordo com a literatura, a adolescência varia de acordo a cultura e os costumes presentes em determinada região, não sendo, portanto, um estágio universal. Por mais que a construção ocidental do conceito da adolescência apresente uma perspectiva conflitiva, algumas vertentes, entre elas a Psicologia Positiva, afirma que esse período pode ser marcado pela resiliência intrínseca ao sujeito, tendo este a capacidade de revolucionar problemas e superar dificuldades. Outro conceito de extrema relevância nesse estudo relacionado à adolescência é a inclusão social, em que as Políticas Públicas entrariam com o papel de garantir o direito da educação de qualidade e o respeito das diferenças dos sujeitos. Sendo assim, esse estudo descreve uma intervenção de mediação do psicólogo no âmbito escolar, através de um trabalho interdisciplinar, promovendo a relação entre a resiliência e a inclusão do adolescente no âmbito micro e macrossocial, abarcando de forma direta as Políticas Públicas Educacionais e os direitos garantidos pela Constituição de 1988. Nesse direcionamento, o objetivo deste estudo é apresentar a relação entre a resiliência e a inclusão social no ambiente escolar, levando em consideração as práticas exercidas pelo psicólogo coadunando com as Políticas Públicas vigentes. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, contando com a participação de 16 alunos de uma escola privada da cidade de Patos-PB. Para a coleta de dados foi realizada uma entrevista subsidiada por um questionário, aplicado individualmente com cada participante. Os pesquisadores também utilizaram um diário de campo para fazer as anotações necessárias sobre o processo da pesquisa. Foram realizadas seis visitas à escola, com duração média de uma hora e trinta minutos cada, e, por fim, uma roda de conversas com os participantes. As entrevistas foram analisadas qualitativamente por meio da análise de discurso dos participantes, mediante o estudo foi percebido que dentro de um cenário microssocial, pode ser evidenciada a resiliência no período da adolescência evidenciando presença de tal característica nos indivíduos pode se constituir como um aspecto de extrema relevância para o processo de inclusão escolar.