Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 12 n. 12 (2021): 12ª Edição

Esporotricose e saúde pública: revisão de literatura

Enviado
março 2, 2021
Publicado
novembro 19, 2021

Resumo

Introdução: A esporotricose trata-se de uma enfermidade micótica zoonótica subaguda ou crônica de pele e tecidos subcutâneo, causada por fungos dimórficos do gênero sporothix schenkii que acomete homens e animais. É a micose mais prevalente da América Latina e Brasil. A doença é caracterizada como doença do jardineiro, pois é encontrada em ambientes úmidos e quentes a exemplo do solo como nas plantas, árvores e materiais em decomposição com sua principal forma de contaminação. A transmissão entre animais se dá por conta de arranhões, mordeduras por felinos portadores da patologia ou animais assintomáicos, felinos de vida livre com idade reprodutiva ativa, tem mais predisposição a brigas a disseminação da doença. A transmissão para o homem ocorre através contato com solo contaminado, plantas, matéria orgânica, principalmente pessoas que trabalham com jardinagem através de solução de continuidade na pele, outra forma de contaminação é a transmissão zoonótica, através de arranhaduras e mordeduras de animais. Objetivos: realizar uma revisão de literatura para alertar os profissionais de saúde sobre a esporotricose, sua etiologia, epidemiologia e patogenia e mostrar a importância do médico veterinário na saúde coletiva, para a prevenção, tratamento da doença. Métodos: através de estudo em revistas eletrônicas de cunho científico sendo elas Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Publicações Médicas (PubMed), Medline e biblioteca virtual Scientific Eletronic Library online (SCIELO), sites institucionais e livros. Resultados e Discussão: a esporotricose é a micose mais prevalente da América Latina e Brasil. Alguns animais têm relação à transmissão zoonótica da esporotricose, o gato é o principal transmissor no meio urbano propagando a doença por meio de arranhaduras, mordedura e exsudado de lesão. No meio silvestre o tatu pode apresentar a doença e atuar como propagador do fungo, através de arranhaduras, casos relacionados em humanos e tendo amimais envolvido na disseminação da doença, podemos citar cobra, abelhas, mordidas de rato e cachorro. Indivíduos e/ou profissionais como: jardineiros, floristas, fazendeiros, médico veterinário, horticultores, feirantes e tratadores de animais estão mais predispostos a contrair a doença. Considerações Finais: A esporotricose é uma doença micótica zoonótica subaguda ou crônica de pele e tecidos subcutâneo, causada por fungos dimórficos, acomete principalmente médicos veterinários e profissionais da saúde. Medidas de controle populacional dos felinos (esterilização), posse responsável de animais, estudos de vigilância, prevenção e controle para o controle dessa zoonose.