Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 12 n. 12 (2021): 12ª Edição

A saúde pública no brasil em tempos neoliberais: revisão de literatura

Enviado
março 2, 2021
Publicado
novembro 19, 2021

Resumo

Introdução: Mediante todo contexto histórico que engloba a trajetória da política de saúde no Brasil firmada por meio de lutas e reivindicações por direitos, partiremos da década de 70 com o Movimento de Reforma Sanitária, um marco no que tange as conquistas referentes à saúde pública. Conforme toda trajetória de conquistas e consolidação de direitos com a criação de um sistema único, público e igualitário, o SUS desde sua criação e implantação vem sofrendo uma série de ataques aos seus serviços, esses que se intensificaram com a adesão das medidas neoliberais no país. O neoliberalismo visa um estado parco em gasto público, com uma atuação mínima e transferindo suas responsabilidades enquanto Estado para unidades privadas, que visam, no entanto à extração máxima do lucro. Objetivos: Esse presente trabalho aborda um recorte teórico e um breve mapeamento dos governos neoliberais que atuam no país até os governos atuais. Métodos: Esta pesquisa é uma revisão de literatura, onde foram abordadas no embasamento teórico leituras condizentes com a temática com atores contemporâneos entre (2001 e 2012). Resultados e discussão: A saúde conquistada por lutas sociais passa a ser vista como mera mercadoria por um sistema que a trata como moeda de troca, governos que vem cada vez mais adotando os vieses neoliberais. O cenário atual de desmonte e sucateamento do setor público de saúde que nos deparamos com estratégias e manobras para efetivação de direitos ao acesso a serviços de saúde no Brasil. A era neoliberal implantada no início da década de 90 e adotada desde então por todos os demais presidentes da república é no mínimo preocupante quando se pensa no futuro do SUS. Considerações Finais: Conforme todo aparato teórico que envolve o presente trabalho reafirma-se a importância da luta e resistência social por uma saúde igualitária e de qualidade. Vivemos tempos críticos de intensiva perspectiva neoliberal, de constantes cortes em investimentos destinados principalmente a saúde e educação, nas áreas de pesquisas das universidades públicas. É diante deste cenário que precisamos reafirmar enquanto usuários do SUS nosso compromisso com a saúde pública e de qualidade para todos.